Taxa Condominial Propter Rem

0
2078

Todo aquele que se enquadra na situação de condômino está obrigado a arcar com as despesas condominiais, sendo esta uma obrigação positiva e de natureza propter rem.

De acordo com o § 2º do art. 1334 do Código Civil são equiparados aos proprietários, os promitentes compradores e os cessionários de direitos relativos as unidades autônomas, salvo disposição em contrário.

Não há como o devedor da taxa condominial se eximir do pagamento desta despesa sob o argumento de que não se utiliza da coisa, pois as despesas decorrem da situação da coisa. Sendo assim, o sujeito passivo da obrigação em tela será sempre o proprietário.

 

 

Na hipótese do imóvel estar locado e o locatário não fizer o pagamento do condomínio, este deverá acionar o proprietário do imóvel e não o locador. Porém, tratando-se de contrato de promessa de compra e venda, a responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais pode recair tanto sobre o promitente vendedor quanto sobre o promitente comprador. De outro lado, havendo copropriedade da mesma unidade autônoma, a qualquer um dos coproprietários exige-se a satisfação da obrigação, pois há solidariedade na responsabilidade.

A obrigação de pagar as despesas condominiais, conforme afirmamos, acima é uma obrigaçãopropter rem, ou seja, o proprietário da unidade condominial responde pelos débitos das taxas condominiais tanto passadas, quanto as futuras.

O registro da convenção de condomínio é o momento no qual a obrigação pelas taxas condominiais passa a ter caráter propter rem, por isso as dívidas anteriores a essa data devem ser cobradas de quem era o proprietário do imóvel à época.

 

 


Leia mais artigos aqui!

Fonte: JusBrasil

 

Artigo anteriorO condomínio pode divulgar quais são as unidades inadimplentes?
Próximo artigoDecisão judicial anula assembleia de condomínio por voto de inadimplentes

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here