Violência, física e verbal, pode trazer transtornos à vítima

0
599

A palavra respeito provém do latim respectus e significa “atenção” ou “consideração”. De acordo com o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, o respeito prende-se com a veneração ou a obediência para com alguém. O respeito inclui cuidado, consideração e deferência.

O respeito permite que a sociedade viva em paz, numa convivência saudável que assenta em normas e instituições. Implica reconhecer em si e nos demais os direitos e as obrigações. Em contrapartida, a falta de respeito gera violência e confrontos.

A cena de um condômino agredindo o porteiro do prédio onde mora com xingamentos e chutes deixou muita gente indignada. Trata-se de agressão, física e verbal. As imagens foram registradas pelo sistema de monitoramento de um condomínio, em Cuiabá

À polícia, o porteiro contou que as agressões começaram depois que o morador parou em frente ao portão do prédio com o veículo dele e começou a buzinar.

Na intenção de descobrir se era algum morador, o porteiro deixou a portaria. Na ocasião, segundo o boletim de ocorrência, o advogado começou a proferir “palavras de baixo calão”.

Depois de entrar e estacionar o veículo, o morador agride o funcionário dentro da portaria. Nas imagens, é possível ver o advogado dando socos e chutes no porteiro.

Durante as agressões, o porteiro contou à polícia que foi ameaçado de morte e ouviu frases como: “você é um vagabundo, safado, ladrão”. Em depoimento, o síndico do prédio contou que o morador já ameaçou outros funcionários.

 

 

O comportamento agressivo caracteriza violência verbal, por palavras danosas, que têm a intenção de ridicularizar, humilhar, manipular e/ou ameaçar. Assim como acontece com a violência física, este tipo de agressão afeta significativamente a vítima, causando danos psicológicos brutais e irreparáveis.

A violência verbal anda lado a lado com a violência psicológica, já que a segunda é uma consequência da primeira.

A violência verbal, diferentemente da violência física, que deixa marcas imediatas no corpo da vítima, demora para ser percebida e acaba por causar feridas na alma do indivíduo que com ela sofre.

A vítima pode acabar desenvolvendo transtornos obsessivos, compulsivos, alimentares, paranoicos, além de depressão, ansiedade, bipolaridade, ataques de pânico, fobia social, entre diversos outros, que, se não receberem a devida atenção, podem levá-lo até mesmo a querer desistir de sua própria vida.

O síndico, por ser a liderança do local, deve atuar na resolução do conflito, já que é seu dever cumprir a Convenção e aplicar o Regulamento Interno, mas sugere que dependendo da gravidade do fato, o síndico acione a polícia, como autoridade competente nesses casos.

Nesses casos, o funcionário deve comunicar o ocorrido imediatamente ao síndico. Se o mesmo estiver infringindo o regulamento interno, caberá multa, conforme a convenção. Caso o funcionário agredido física ou verbalmente venha processar o condomínio, havendo provas de que o síndico tomou todas as medidas cabíveis e não foi conivente, o réu deverá ser o morador que praticou a agressão e não o conjunto residencial.

Geiseane Lemes – Redação Portal Síndico Legal

 


Leia mais notícias aqui!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here