Vídeos mostram engenheiro saindo do prédio logo após desabamento

0
327
momento em que o Edifício Andrea desmorona
Imagem impressionante mostra o momento em que o Edifício Andrea desmorona em Fortaleza. — Foto: Reprodução/SVM

O Edifício Andrea ruiu em 15 de outubro, às 10h28. Sete pessoas foram retiradas vivas e outras oito foram encontradas mortas.

 

Vídeos gravados na terça-feira (15), momentos após o desabamento do Edifício Andrea, mostram um dos engenheiros, identificado como Carlos, em meio a uma nuvem de poeira.

O engenheiro afirma que a síndica do condomínio, Maria das Graças Rodrigues, de 53 anos, está embaixo dos escombros.

“Mas eu ouvi quando ele estava estralando, ele vai cair e eu vim correndo. Tem gente ali lá embaixo. A senhora síndica e o morador ‘tá’ aí”.

(veja o vídeo)

As imagens gravadas por pessoas que passavam pela rua logo após a tragédia, mostram o engenheiro de camisa clara e manga longa, deixando local pela entrada do estacionamento do prédio falando ao celular e com a mão na cabeça, andando diante dos escombros.

Um outro engenheiro, o porteiro do prédio e um pedreiro que realizava reformas no prédio conseguiram escapar da tragédia pelo outro lado do condomínio.

Depois do desabamento, os engenheiros conversam e afirmam novamente que a síndica foi soterrada pelos escombros.

(veja o vídeo )

Desabamento

O vídeo registra o momento em que um homem, do lado de fora do prédio, percebeu o desabamento e conseguiu fugir correndo.

Logo depois, uma enorme nuvem de poeira cobriu todo o ambiente. As outras cinco pessoas estão no térreo do prédio, sendo três delas próximo à entrada do estacionamento.

Vítimas

O Corpo de Bombeiros do Ceará confirmou nesta sexta-feira (18) o sétimo óbito no desabamento do edifício Andrea, em Fortaleza.

A sétima vítima foi identificada como Vicente de Paula Menezes, de 86 anos.

Ele era casado com Izaura Marques Menezes, 81 anos, e pai de Roseane, de 55 anos, ambas também vítimas do desabamento.

Vicente é ainda avô de Fernando Marques, o primeiro sobrevivente retirado dos escombros do edifício Andrea.

Além das sete mortes confirmadas, duas pessoas seguem desaparecidas e sete foram resgatadas com vida.

O comandante do Corpo de Bombeiros do Ceará, Eduardo Holanda, afirmou que uma das pessoas que era considerada desaparecida não estava no condomínio no momento do desabamento, reduzindo o número de possíveis vítimas.

“Nós trabalhamos com as pessoas reclamadas [cujos familiares afirmam que a pessoa estava no condomínio no momento do incidente]. No primeiro dia veio um irmão dizendo que a pessoa estava trabalhando aqui [no edifício Andrea], como técnico de ar-condicionado, mas ele não estava. Ele inclusive já foi encontrado [em outro local, não sob os escombros do edifício]”, explica o comandante responsável pela operação.

Reforma no prédio

O engenheiro técnico apontado em documento como responsável pela reforma e proprietário da empresa Alpha Engenharia, José Andreson Gonzaga dos Santos, disse à polícia que iniciou as obras no prédio no último dia 15 de outubro. No entanto, moradores afirmaram que a reforma começou no dia 14 de outubro, um dia antes da tragédia.

“Eu ainda reclamei daquele serviço. O cara descascou todas as colunas. Cinco colunas. Quando ele foi mexer no pilar principal, deu um ‘pipoco’, os ferros estouraram e o prédio desceu”, afirma Paulo Bezerra Martins, morador do primeiro andar do edifício Andrea.

(veja o vídeo)

Segundo o engenheiro, a obra para recuperação dos pilares e das vigas do condomínio foi orçada no valor de R$ 22.200.

Ele afirmou à polícia que os pilares estavam com as ferragens com nível alto de corrosão. No momento do acidente, Andreson e os funcionários estavam no condomínio, mas não chegaram a ficar sob os escombros.

O que se sabe até agora

  • O que se sabe até agora
  • Edifício Andrea desabou às 10h28 do dia 15 de outubro
  • Até a última atualização desta reportagem, havia 8 mortos, 7 resgatados com vida e uma pessoa desaparecida
  • O prédio ficava no cruzamento na Rua Tibúrcio Cavalcante com Rua Tomás Acioli, a cerca de três quilômetros da Praia de Iracema, região turística da capital cearense
  • A prefeitura disse que a construção do prédio foi feita de maneira irregular e ele não existia oficialmente, mas o G1 localizou o registro do imóvel em um cartório da capital: a existência do edifício é conhecida desde 1982
  • Testemunhas contaram que o edifício estava em obras
  • Vídeo mostra que as colunas de sustentação estavam com situação precária
  • Ruas no entorno do edifício foram bloqueadas e sete imóveis próximos ao local do desabamento foram interditados
  • O engenheiro técnico apontado como responsável por reforma no edifício esclareceu à polícia que começaria as obras no prédio no último dia 15 de outubro, data em que a edificação desabou.
Mapa mostra localização do Edifício Andrea, em Fortaleza, e descrição dos apartamentos — Foto: Arte/G1

 

Fonte: G1

 

Leia mais notícias aqui!

LEIA TAMBÉM

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here