Troca de administradora

0
1393

Um grande número de condomínios mantém a mesma administradora por vários anos, às vezes desde a sua implantação.

Mas, é também possível que, em algum momento, por qualquer motivo, é chegada a hora de trocá-la, o que é muito comum.

Nessa hora, esteja você representando o condomínio ou a administradora, é primordial que a transferência de toda a documentação e recursos para a nova empresa seja feita de forma profissional, sem que se crie dificuldades ou haja sonegação de informações ou, ainda, demora na entrega de documentos e haveres que, legalmente, pertencem ao condomínio.

Dentre outros, cadastro completo, quadro de rateio, relação de inadimplência, cópia da convenção e regimento interno, livro de atas de assembleias e listas de presença, seus ativos financeiros deverão ser entregues e transferidos sem delongas.

Importa ressaltar que tudo deve ser feito sob protocolo e mediante recibo.

Este, por exemplo, tem que especificar a composição contábil dos valores a serem transferidos, e que se refere ao saldo final de prestação de contas de condomínio – ou parcial, quando for o caso – e registrar, ao final, que se encerram os serviços administrativos até então prestados, e cessam totalmente as responsabilidades dos contratantes em relação ao aludido contrato.

Evita-se de parte a parte surpresas desagradáveis.

 

Transição

Configura-se uma situação algo constrangedora entre a administradora que está chegando, contrato recém assinado, cheia de gás e a que está saindo, a que perdeu o cliente.

O sindico, às vezes, é chamado a intervir diretamente no processo de transição, especialmente quando a demora na transferência de documentos compromete o fluxo financeiro do condomínio, tanto de receitas, quanto de pagamentos, a própria emissão dos boletos das cotas, o andamento na gestão da inadimplência, sem mencionar questões essencialmente administrativas, como elaboração e expedição de edital de convocação de assembleia ou de advertências ou avisos de multa.

O meio de campo embola quando a recusa da antiga administradora em entregar os documentos é decorrente de débitos que o condomínio possa ter com ela.

Esses documentos em seu poder, no seu entendimento, é sua única moeda de troca para sensibilizar o condomínio a efetuar o pagamento.

Claro que é preciso analisar que débitos são esses e a que se referem.

O desfecho disso irá depender do profissionalismo dos envolvidos e das reais circunstâncias no caso concreto.


Fonte: O Condomínio e Você – Orandyr Teixeira Luz.

Leia mais sobre gestão aqui!

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Artigo anteriorAbastecimento de água em condomínio.
Próximo artigoAssembleia geral para substituição de administradora ?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

três + quinze =