Sindico, saiba como ficou a questão da contribuição Sindical pós reforma trabalhista

0
101
Capa Gestão sobre O trabalhador em condomínio

Com as alterações trazidas pela Reforma Trabalhista a contribuição sindical, antes compulsória, passou a ser facultativa, sendo opção do empregado pagá-la ou não.

 

Devido à grande mudança que a alteração acarreta aos cofres dos sindicatos e às manifestações contrárias destes às novas regras, o governo acenou com a possibilidade de, através da edição de Medidas Provisórias, criar regras de transição quanto ao assunto.

 

SAIBA MAIS SOBRE EMPREGADOS EM CONDOMÍNIO CLICANDO AQUI!

 

A Contribuição Sindical é prevista pelos artigos. 578 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho, CLT.

Esta contribuição corresponde à remuneração de um dia de trabalho do empregado. Observe-se que, embora o art. 580, I, da CLT, mencione um dia de remuneração do empregado, esse valor da contribuição sindical corresponderá a um dia de salário, sem que nele estejam incluídas horas extras, pois o art. 582, em seu § 1°, inciso “a” menciona:

Art. 582. Os empregadores são obrigados a descontar, da folha de pagamento de seus empregados relativas ao mês de março de cada ano, a contribuição por estes devida aos respectivos sindicatos. (nova redação do caput do artigo dada pela Lei n. 13.467, de 13 de julho de 2017 – Reforma Trabalhista).

  • 1° Considera-se um dia de trabalho, para efeito de determinação da importância a que alude o item I do art. 580, o equivalente:
  1. a uma jornada normal de trabalho, se o pagamento ao empregado for feito por unidade de tempo; (…)

Assim, se a contribuição equivale a uma jornada normal de trabalho, as horas extras dela estão excluídas, bem como o abono de férias.

Caso o empregado tenha vários empregos, sofrerá o desconto em todos eles, se autorizados.

A contribuição sindical, descontada no mês de março dos empregados será recolhida em abril, conforme determina o art. 583 da CLT, e seu comprovante de depósito enviado ao sindicato dos empregados.

 

 

Referida contribuição é devida não só por empregadas (categoria profissional), mas também pelos empregadores (categoria econômica), ou profissional liberais, em favor do sindicato representativo da categoria ou profissão e, não havendo sindicato, o percentual de sessenta  por cento do valor da contribuição será creditado à federação correspondente à respectiva categoria, sendo que, nesse caso, os outros cinco e quinze por cento, previstos nos itens I e II do art. 589 da CLT, serão devidos à confederação (conforme art. 591 da CLT).

 

SAIBA MAIS CLICANDO AQUI!

 

Da importância arrecada pelo sindicato, serão feitos os seguintes créditos pela Caixa Econômica Federal:

Para os empregados:

5% (cinco por cento) para a confederação correspondente;

15% (quinze por cento) para a federação;

60% (sessenta por cento) para o sindicato respectivo;

20% (vinte por cento) para a “Conta Especial Emprego e Salário”.

Para os empregados:

5% (cinco por cento) para a confederação correspondente;

10% (dez por cento) para a central sindical;

15% (quinze por cento) para a federação;

60% (sessenta por cento) para o sindicato respectivo;

10% (dez por cento) para a “Conta Especial Emprego e Salário”.

Ao admitir empregados entre os meses de abril a fevereiro, deve ser verificado em suas Carteiras de Trabalho o recibo da contribuição sindical e, caso não haja, deverá ser perguntado a eles se autorizam (autorização por escrito) efetuar o desconto no salário do primeiro mês seguinte ao da admissão (art. 602 da CLT, alterado de acordo com a Reforma Trabalhista).

O empregado admitido em março sofre o desconto nesse mesmo mês, caso (nesse mês) não tenha sido descontado em seu último emprego e autorize (por escrito) o desconto.

Se o condomínio receber boletos de cobrança de dois sindicatos profissionais (de empregados) diferentes alegando representar a categoria e o empregado autorizar o desconto deverá depositar em Juízo o valor devido, mediante uma ação de consignação em pagamento.

 

Fonte: Manual de Direito do Trabalho Para Condomínios – Carlos Alexandre Cabral – 3° edição (Atualizada de acordo com a REFORMA TRABALHISTA Lei n. 13.467 de 13 de julho de 2017).

 

Leia mais sobre Gestão aqui!

 

LEIA TAMBÉM

Gostou? Compartilhe!

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here