Recandidatura do Síndico após sua renúncia

0
866

Vamos admitir uma situação hipotética, em que o síndico, proprietário e morador, que até então vem fazendo um trabalho elogiável – não que isso seja relevante ou determinante para a análise que se pretende -, sente-se desmotivado, desprestigiado, desvalorizado, afinal não recebe qualquer contraprestação pecuniária pela sua dedicação às questões condominiais.

Em reunião com o conselho expõe suas mazelas, mas é desencorajado a levar adiante sua pretensão de reivindicar – sequer – a isenção do pagamento da cota de condomínio.

Inconformado, na próxima assembleia ele insere na ordem do dia a comunicação de sua renúncia.

Depois que o síndico explica ao plenário o real motivo de sua atitude o presidente, absolutamente neutro em relação ao síndico e à possível facção contrária, convoca nova eleição.

Alguém no plenário, diante da inexistência de candidatos a tão árdua tarefa – e ainda mais sem qualquer tipo de remuneração! – faz a proposição de se adotar, a partir daquela data, remuneração aos novos síndicos.

Em votação unânime tal proposta é aprovada.

Diante da nova realidade o agora ex-síndico se recandidata.

– Ele pode ou não pleitear o cargo ao qual acabara de renunciar?

Talvez a reação mais comum seja a de se rejeitar energicamente a essa possibilidade.

Afinal, ele acabara de renunciar, portanto, não teria o direito de ser candidato ao cargo, concorrendo com os demais que agora, com a devida remuneração, se dispuseram ao ‘sacrifício’.

 

 

– É legítima a pretensão do ex-síndico? O que você acha?

Analisando a situação sob o enfoque legal, o síndico que acabou de renunciar pode sim se recandidatar ao cargo.

Pode até não ser reeleito!

Com a renúncia proposta e aceita pela assembleia, considerando-se que a convenção não estabeleça diferentemente, aquele cidadão passa automaticamente ao estado de condômino comum, com todos os direitos próprios dessa condição.

E mais: não importa se se trata de morador ou não; é só ‘refrescar a memória’ no texto do art. 1.347 do Código Civil, apesar de que a situação em comento melhor se enquadra, óbvio, no caso do síndico morador, eis que ao síndico não morador, o chamado ‘profissional1, supõe-se fosse atribuída, desde logo, uma remuneração.


Fonte: O Condomínio e Você – Orandyr Teixeira Luz.

Leia mais sobre gestão aqui!

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

 

Artigo anteriorIntervalos entre jornadas
Próximo artigoCondomínio não tem legitimidade para requerer reparação de danos morais aos condôminos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

três × dois =