Prédios sem placas em braile terão que pagar multa de até R$ 2,5 mil

0
264
Prédios sem placas em braille terão que pagar multa de até R$ 2,5 mil

O governador em exercício, Paco Britto (Avante), sancionou lei que prevê multa de até R$ 2,5 mil para edificações do Distrito Federal que não tiverem placas informativas em braile, voltadas a deficientes visuais. A regra também vale para pontos de ônibus e estações de metrô.

Publicada no Diário Oficial do DF desta quinta-feira (2), a lei já está em vigor. A fixação das placas em braile já é obrigatória desde 2000, por ordem da lei distrital 2.536.

Porém, até então, não existia sanção para quem descumprisse a norma. Questionado pelo G1, o DF Legal informou que já verificava a existência dessas placas ao fazer vistorias para concessão de habite-se. No entanto, não podia aplicar punições.

Para a presidente da Associação Brasiliense de Deficiente Visuais (ABDV), Denise Braga, a lei representa avanço, mas não é suficiente para garantir a acessibilidade. “Leis temos muitas, mas a fiscalização é pouca”, afirma .

– O que diz a regra

As placas devem ser fixadas nos seguintes locais:

  1. Edifícios de órgãos ou entidades públicas para indicação dos nomes das diferentes repartições;
  2. Edificações verticais para indicação dos andares;
  3. Elevadores para indicação dos andares de paradas e dos demais comandos;
  4. Pontos de ônibus para localização deles e indicação das linhas por eles servidas;
  5. Estações do Metrô-DF para indicação de trajetos, intervalos entre viagens, localização da estação e outras informações necessárias à utilização segura pelo portador de deficiência visual

Segundo a norma, a multa de R$ 2,5 mil deve ser aplicada a instituições privadas que não cumprirem a regra. O valor deve ser dobrado em caso de reincidência e atualizado de acordo com a inflação.

Quando o descumprimento ocorrer por órgão público, a lei prevê a aplicação de “penalidades administrativas”. O texto determina ainda que as placas sejam confeccionadas segundo as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

O projeto que deu origem à lei é de autoria do presidente da Câmara Legislativa do DF, Rafael Prudente (MDB) e foi aprovado pela Casa.

– O que diz a ABDV

Segundo a presidente da ABDV, Denise Garcia, “o governo cobra mas é o primeiro a não cumprir essas coisas”. Ela afirma que “todo avanço é bem-vindo”, mas que, além das placas, outras medidas são necessárias para garantir a inclusão dos deficientes visuais.

“Se tenho a placa mas não tenho o piso tátil para me levar até lá, não adianta. É uma parte da inclusão. É a construção de uma sociedade mais inclusiva, mas ainda não é suficiente.”

Fonte: G1

Leia mais notícias aqui!

LEIA TAMBÉM

 

INSCREVA-SE NA TV SÍNDICO LEGAL CLICANDO AQUI!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here