Pitbull ataca família em condomínio na Vila Laura

0
79
ontadora Acimi Muniz se machucou enquanto tentava defender filha de 2 anos e cachorra de ataque de pitbull
(Fotos: acervo pessoal)

O que era para ser só mais um passeio de fim de semana da contadora Acimi Muniz, 38 anos, com sua filha, Liz Muniz, 2, e sua cadela Frida no condomínio Villa Privilege, no bairro da Vila Laura, se transformou em um pesadelo no último sábado (6). Isso porque, por volta das 10h30 daquele dia, quando Acimi desceu para caminhar com sua filha no colo e Frida na coleira, acabou sendo atacada por um cão da raça Pitbull que invadiu o condomínio pelos portões da frente.

O animal, que não pertence a nenhum morador do Villa Privilege, estava do lado de fora quando a contadora chegou ao local, mas entrou e a atacou em questão de segundos. “Foi tudo muito rápido.

O Pitbull invadiu o condomínio correndo pelo portão da frente, me olhou fixamente e correu em minha direção para atacar. Minha cachorrinha pulou e ele pegou ela, arrancou da coleira e saiu levando. Mesmo com a minha filha no colo, entrei em luta corporal com ele e segurei ele no pescoço”, relembra ela, ainda muito abalada.

Ao saber pelo porteiro do condomínio da presença do Pitbull, Acimi já ia voltar para seu apartamento para ficar em segurança, mas não conseguiu fazer isso a tempo. “O segurança me avisou que havia um Pitbull solto na rua e que não era para eu sair. Porém, os seguranças deixaram os portões do condomínio aberto mesmo com a possibilidade do cachorro entrar. Por isso, não deu tempo de escapar e pegou a gente”, relata a contadora.

A situação só não foi pior porque um dos vizinhos de Acimi apareceu e disparou contra o chão para assustar o Pitbull, que soltou a cachorra e correu para a saída dos carros. O esposo dela, que também estava na área comum com outros dois cachorros do casal, ajudou e pegou a cachorra para esconder na guarita. Mesmo assim, o cão tentava atacá-la novamente e, só depois de alguns minutos, ele fugiu do local.

Cadela passou por cirurgia

Após o susto, Acimi levou a cachorra imediatamente para a emergência de um hospital veterinário.

De acordo com ela, o animal teve muitos ferimentos e precisou ser submetido a uma cirurgia. “Ela ficou bastante machucada, a mordida do cachorro dilacerou a parte abdominal e os órgãos saíram do lugar. Ficou muito mal, teve muitas perfurações, mas os órgãos não ficaram expostos. Então, fizeram uma cirurgia de duas horas para que evitar algo pior com ela”, conta.

Apesar da cirurgia, a cachorrinha ainda não está totalmente bem e vai se recuperando aos poucos do ataque que sofreu. “Foi uma cirurgia grande, precisou colocar um dreno porque teve um edema muito grande. Que a gente contou, foram 9 perfurações. Ela ainda está tomando medicamentos e não consegue comer por si só. Estão alimentando ela com aquelas seringas”, explica Acimi.

Não foi só Frida que se feriu. Apesar de Liz ter ficado bem, Acimi, enquanto lutava com o cão para que ele não matasse sua cachorra, acabou sofrendo muitos ferimentos, como ela mesmo relata.

“Meus joelhos estão totalmente esfolados, em carne viva. Machuquei o pé, a perna e não consegui dormir de sábado para domingo de tanta dor. Agora mesmo, não consigo caminhar direito porque me machuquei bastante”, afirma ela, que chegou a ir para emergência e também foi medicada.

Condomínio nega imagens

Depois dos cuidados médicos pelos quais precisou passar, a contadora foi até uma delegacia para registrar o Boletim de Ocorrência (BO) do caso.

No entanto, recebeu a informação de que deveria identificar o cão e o dono para poder oficializar o registro.

Ao pedir as imagens das câmeras de segurança para a identificação, Acimi recebeu uma negativa da direção do condomínio, que enviou apenas uma foto do momento em que o cão passa em frente às câmeras.

“Quando pedi, disseram que não poderiam me ceder as imagens e que isso só seria feito se eu acionasse o condomínio judicialmente. Também reclamei dos portões, que continuam abertos mesmo depois do que ocorreu, e o pessoal justifica que precisa ficar por ser um local de grande circulação”, diz a contadora. Procurado pela reportagem, o condomínio ainda não se posicionou.

 

Fonte: Correio 24 Horas

 

LEIA TAMBÉM

FAÇA PARTE DOS NOSSOS GRUPOS 

👉 GRUPOS WHATSAPP👈

👉GRUPO TELEGRAM👈

👉INSCREVA-SE NO YOUTUBE

Artigo anteriorCondomínios apostam em armário inteligente para receber encomendas
Próximo artigoRegras de condomínio essenciais para conviver bem

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

3 × um =