O Desconto pontualidade aproveitado pela imobiliária

0
433

Não há pacificação nos Tribunais sobre a (i)legalidade da vantagem financeira obtida por pagamento antecipado da taxa condominial, haja vista que a tese dos defensores pela ilegalidade entendem que o referido valor concedido como “desconto” representa uma forma de sanção, constituindo-se como uma multa camuflada, enquanto os que aferem pela legalidade, asseveram que tal fato consiste em um incentivo ao bom pagamento e como tentativa da minimização da inadimplência, desde que haja previsão em convenção condominial para tanto.

Contudo, é preciso ficar atento sobre o “aproveitamento” deste “desconto/abono” pela imobiliária, quando o proprietário de uma unidade, por exemplo, contrata com uma imobiliária a intermediação da locação do imóvel, e em alguns casos, a imobiliária, sem ao menos ter uma previsão explícita em contrato, acaba antecipando o pagamento do condomínio e depois, efetua o repasse juntamente com o aluguel ao proprietário, obtendo, ilegalmente, a vantagem do “desconto” pelo pagamento antecipado da taxa condominial do respectivo mês.

Assim, a imobiliária que recebe sua parcela mensal pela administração do imóvel locado, ainda embolsa o referido desconto, em evidente caracterização de enriquecimento ilícito.  Tais atos enquadram-se na configuração de enriquecimento ilícito, nos termos dos artigos 884 e 885, ambos do Código Civil:

Art. 884. Aquele que, sem justa causa, se enriquecer à custa de outrem, será obrigado a restituir o indevidamente auferido, feita a atualização dos valores monetários. 

Parágrafo único. Se o enriquecimento tiver por objeto coisa determinada, quem a recebeu é obrigado a restituí-la, e, se a coisa não mais subsistir, a restituição se fará pelo valor do bem na época em que foi exigido. 

Art. 885. A restituição é devida, não só quando não tenha havido causa que justifique o enriquecimento, mas também se esta deixou de existir.

 

 

Pela interpretação da lei, é exatamente o que ocorre quando a imobiliária, portanto, apropria-se de valor concedido como desconto, resultando assim numa ilegalidade.

Evidentemente que caberá ao lesado, acionar a parte lesadora a efetuar o reembolso, com as devidas atualizações e correções monetárias, além de outras despesas que surgirem, na hipótese de tal pedido for promovido na esfera judicial, no prazo de 3 anos, nos termos do art. 206, § 3º, IV, do Código Civil.

 

FELIPE FAVA FERRAREZI (OAB/SC 26.673) – Advogado, Presidente da Comissão de Direito Condominial da Subseção da OAB em Blumenau/SC, Graduado em Direito pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB); Pós-Graduado em Direito Processual Civil pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI).

 

Leia mais artigos clicando AQUI!

 

LEIA TAMBÉM

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here