Justiça do DF condena condomínio após mulher escorregar em lodo

0
529

A 4ª Vara Cível de Taguatinga condenou um condomínio a pagar R$ 30 mil em danos morais, R$ 2,3 mil por despesas médicas e R$ 1,4 mil por danos pela impossibilidade de trabalhar a uma técnica de enfermagem que sofreu fratura exposta no tornozelo depois de escorregar na poça d’água de uma rampa. Cabe recurso da sentença.

Segundo a mulher, a poça era formada por um lodo na calçada que dá acesso à portaria do bloco e que, apesar de escorregadio e sem sinalização, seria um acesso para pessoas com deficiência. A água escorria de um aparelho de ar condicionado. Ela teve que ser submetida à cirurgia após a queda.

O condomínio argumentou em defesa não ter responsabilidade sobre o ocorrido. Também disse que a mulher não comprovou os prejuízos decorrentes do acidente, afirmou que ela agiu de má fé e solicitou a extinção do processo ou a improcedência do pedido de indenização.

Para o juiz que analisou o caso, o condomínio foi negligente.

“O não cuidado com a limpeza do local, aliados a aspectos quanto à própria engenharia de acessibilidade, feita de maneira errônea, ou de maneira irregular, tem o condão de possibilitar, como já dito, a ocorrência de acidentes”, disse.

Fonte: G1.

Artigo anteriorCombata a inadimplência nos condomínios
Próximo artigoSTJ decide que infiltração causada por vazamento pode configurar dano moral

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here