Como gerir bem as contas do condomínio (e não só)

0
725

Fazer uma boa gestão do orçamento do condomínio é fundamental para garantir a estabilidade na relação entre os vizinhos.

________________________________________________________________________

Há sempre alguém que tem de ficar responsável pelas contas do condomínio, mesmo que essa tarefa não agrade a muita gente, porque requer uma boa gestão. No entanto, a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO) apresenta algumas dicas que podem ser muito úteis na gestão do condomínio.

Até porque esta gestão é importante para manter a ordem no condomínio e garantir estabilidade na relação com os vizinhos, segundo a associação.

Deste modo, se algum dia lhe calhar na rifa ser o administrador, estas seis dicas podem ajudar:

1 – Gerir o condomínio através de uma conta pessoal parece simples e cómodo, mas pode trazer problemas: é contra a lei guardar lá o Fundo Comum de Reserva, que é obrigatório. Retire todos os meses 10% do valor da quota estipulada. Para este pequeno pé-de-meia deve escolher o depósito a prazo que mais se adequa. Com a melhor taxa, mais rentabiliza a poupança do seu condomínio.

2 – Para gerir as quotas dos condóminos e fazer os pagamentos das despesas correntes (eletricidade e água das áreas comuns, seguros, etc.), deve existir uma conta bancária aberta em nome do condomínio, que possa ser movimentada pelos administradores.

3 – Elabore o orçamento no início de cada ano e, no final, feche as contas. Depois, convoque uma assembleia de condóminos para apresentar os resultados. O orçamento anual deve incluir as despesas do condomínio, receitas e estimativas de gastos relevantes para a execução do próximo ano de administração.

4 – Avalie o valor de alguns gastos fixos e veja se é preciso equilibrar as contas. Por exemplo, veja se é mais barato manter a empregada de limpeza ou contratar uma empresa para prestar esse serviço. Tenha em conta que, de acordo com a lei, cada empregado do condomínio deve ter um seguro de acidentes de trabalho. Pode poupar até 30 euros por mês se ajustar o seguro às necessidades do condomínio.

 

 

5 – Verifique as condições do edifício, para prever a necessidade de eventuais obras de manutenção, e quantifique-as no orçamento. Desta forma, poderá considerar um valor extra na quota mensal dos condóminos. E se surgir um imprevisto ou um incidente? O ideal é ter o edifício coberto por um seguro multirriscos-condomínio. A poupança pode chegar aos 500 euros por ano se escolher o mais adequado.

6 – Mantenha os documentos organizados ao longo do ano. Pode arrumar em pastas, por categorias e numeradas. Por exemplo, uma pasta para as faturas dos produtos de limpeza, outra para os papéis do seguro, outra para os recibos das quotas, etc. Acompanhe com regularidade o pagamento das quotas e das despesas correntes.

 

Leia mais sobre gestão aqui!

 

Fonte: Notícias ao Minuto

Artigo anteriorDespesas condominiais: alerta de tsunami (baseado em fatos surreais)
Próximo artigoCadastro Geral de Empregados e Desempregado s– CAGED – LEI N.4.923/1965

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here