11 animais aparecem mortos com suspeita de envenenamento em condomínio

[adrotate group=”1″]

Um condomínio em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, vem registrando uma série de mortes de gatos e cães nos últimos dois meses. Segundo um Boletim de Ocorrência, registrado nesta quinta-feira (26), pela administração do espaço, já são cerca de 11 animais encontrados mortos.

Luiz Brunno Motta da Silva, síndico do condomínio Moradas Club Rios do Pará, afirmou no B.O. registrado na Polícia Civil que os animais mortos são errantes (em situação de rua) e que conseguem entrar no local.

“Durante os meses de abril e maio de 2022 apareceram nas dependências do condomínio cerca de 10 animais felinos e um animal canino morto com suspeita de envenenamento”, afirmou o síndico à polícia.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um desses animais supostamente envenenado. Chamado de “Caramelo”, o cachorro se debate no chão de uma das casas do condomínio, horas antes de morrer.

Assista clicando aqui!

“O cachorro que morreu não tinha um tutor legal. Tinha ocasiões que ele corria atrás de pessoas e isso causava certo desconforto aos moradores. Mas, até então, não há nenhum laudo atestando envenenamento”, afirma a gerente do local, Edcinara Nóbrega.

Edcinara também diz afirma que não há como saber “se foi um morador, pois o cachorro pode ter ingerido algum alimento fora e ter entrado no condomínio”.

Em uma nota encaminhada aos moradores, a administração do condomínio diz que “averiguando o caso e identificado o infrator” e que “executa um serviço socioeducativo com a comunidade” para evitar casos como esse.

“Esse problema de animais mortos já existe desde que assumi a administração, anos atrás. Mas informo que estamos passando por um período de investigação particular dentro do espaço”, diz Edcinara Nóbrega.

Em nota, a Polícia Civil informou que “o caso já está com investigações em andamento por meio da Divisão Especializada em Meio Ambiente e Proteção Animal (Demapa) e que perícias foram solicitadas para coletar mais informações sobre o ocorrido”.

Fonte: G1

LEIA TAMBÉM